O que é e como funciona a dupla transferência de veículo

Já ouviu falar na dupla transferência de veículo? Esse nome é usado para indicar automóveis que já tiveram proprietários anteriores e não foram regularizados no Detran antes de serem vendidos para outros. 

Acontece mais ou menos assim: normalmente as pessoas não dão a devida importância a esse tipo de burocracia. Porém, os problemas começam a surgir a partir do momento que alguém compra um carro que já teve um dono anteriormente, mas não houve a transferência da documentação entre os envolvidos. 

A gente sabe que quando se trata de veículo, quanto mais transparente for a negociação, melhor. Ter tudo regularizado é o que evitará dores de cabeça no futuro. Portanto, no post de hoje vamos explicar como funciona a dupla transferência e como fazê-la. 

Dupla transferência de veículo: como funciona o processo?

Antes de mais nada, é importante dizer que o termo “dupla transferência” não é utilizado pelo Detran, pois o processo é feito separadamente. Essa é apenas uma forma popular para referenciar a situação. 

Para explicar como o trâmite todo funciona, vamos imaginar que você tenha comprado um carro de outra pessoa e, passado um tempo, decidiu vendê-lo. No entanto, no âmbito da negociação, o antigo proprietário não fez a transferência da documentação para o seu nome.

Dessa forma, para que você possa realizar a venda e o novo comprador transferir o automóvel para o nome dele, será necessário passar a documentação para o seu nome primeiro, já que o processo não ocorreu lá atrás. 

É por isso que se chama dupla transferência. Embora aconteça separadamente, é preciso fazê-la duas vezes, uma em seu nome e outra em nome do futuro dono. 

Como fazer a transferência do veículo?

Para que a transferência do veículo seja feita, todos os débitos do carro devem estar pagos. Isso envolve multas, IPVA, algum tipo de restrição, entre outros. 

Além disso, será solicitada uma vistoria no Detran. Essa etapa só poderá ser pulada caso você já tenha realizado o procedimento em um período inferior a três meses e com uma empresa credenciada ao Departamento de Trânsito do estado em que você reside. 

Desse modo, você só terá de apresentar o laudo que comprove a vistoria e solicitar a transferência. 

É válido lembrar que não transferir o veículo pode acarretar consequências ao comprador. Assim que a compra acontece, ele tem um prazo de 30 dias para organizar o processo. 

Caso a transferência não ocorra, é necessário pagar uma multa no valor de 195,23. Se parado em uma blitz, o condutor também corre o risco de ter o carro apreendido. Então, é melhor estar atento. 

Você acabou de conferir o que é e como funciona a dupla transferência de veículo. Para ler outras postagens com temas relacionados, continue acompanhando o blog da AutoList e nos siga nas redes sociais! Até a próxima!

POSTS RELACIONADOS

Olá, posso ajudar?