Veja o que não fazer na revenda de carros seminovos e usados

Apesar de ser muito procurado pelos consumidores, o mercado de seminovos e usados também recebe alguns olhares de desconfiança. Isso porque, infelizmente, ainda existem muitos golpes na revenda de carros.  

São situações como essas que acabam por manchar a imagem de quem pretende fazer um trabalho sério e proporcionar uma venda segura a seu cliente. Sabendo disso, para o post de hoje listamos os golpes mais comuns desse segmento para mostrar o que não fazer em uma revenda de seminovos e usados. 

Quer saber mais? É só dar continuidade à leitura para conferir! 

4 golpes mais comuns na revenda de carros seminovos e usados 

Assim como em diversas áreas, o meio veicular — principalmente na revenda de seminovos e usados — passa por algumas situações fraudulentas. Para preservar a integridade do seu negócio e não perder a confiança de seus clientes, saiba quais os principais golpes aplicados no ramo automotivo:

1. Veículos anunciados com preços muito abaixo do mercado 

Este é clássico! Direto vemos anúncios de carros com preços muito abaixo do que são oferecidos no mercado. Estes geralmente possuem poucas imagens do automóvel e tendem a mostrar somente a parte de fora, sem informações sobre a estrutura completa e o histórico do veículo

Ao perceber o interesse do consumidor, o vendedor inventa a famosa história de que há outros compradores interessados e pede um “sinal” como forma de garantia para reservar o carro. Depois disso, ele passa o número de uma conta de um terceiro para que a pessoa faça um depósito e aí… Golpe!

Não seja esse tipo de vendedor! Se for anunciar pela internet ou algum outro meio de comunicação, não minta sobre o estado do automóvel e chame o futuro comprador para uma visita à sua garagem. 

2. Anúncios de carros inexistentes 

Anunciar carros que sequer existem também é comum no meio automotivo. Normalmente o “vendedor” apresenta imagens de um veículo qualquer, coloca um preço abaixo do mercado, faz toda a negociação via internet e solicita um adiantamento ou combina uma forma de pagamento. 

A dica, diante disso, é sempre ser honesto com o seu cliente. Se não tiver o carro em estoque, informe o consumidor. No momento de fechar negócio e falar sobre pagamento, seja transparente, faça contrato, comprovante ou algum outro tipo de documento legal que assegure você e o comprador. 

3. Plataformas de anúncio duvidosas 

Do mesmo modo que há fraude contra os compradores, há fraude contra os vendedores. Muitas lojas de revenda e garagens, para aumentar a visibilidade e as vendas do seu negócio, optam por anunciar seus veículos em plataformas online. 

Acontece que, muitas vezes, esses canais são preparados para aplicar golpes. Então, antes de escolher uma plataforma, faça uma boa pesquisa, busque referências com outros lojistas que também anunciam online. 

4. Procedência do veículo 

Como já dissemos, muitos veículos são vendidos como seminovos, anunciados em bom estado de conservação, mas na verdade estão completamente problemáticos. Aliás, vale reforçar que não é somente a estrutura do carro que importa. 

É essencial que o cliente saiba se o veículo é aceito por alguma seguradora, se teve passagem por leilão, se há ou já houve alguma irregularidade em seu histórico, entre outros fatores. 

Para ter acesso a todos esses dados do veículo, você pode utilizar a Radar Securitário, uma das consultas veiculares disponíveis pela AutoList. Assim, você consegue deixar o futuro comprador ciente da real condição do automóvel. 

E então, este conteúdo foi útil para você? Para ler outras postagens como essa, é só ficar de olho em nosso blog e nos seguir nas redes sociais.

POSTS RELACIONADOS

Olá, posso ajudar?