Reciclagem automotiva: como é feito o desmonte de peças

Em 2014, foi sancionada a chamada Lei do Desmanche, que autoriza a reciclagem automotiva no Brasil. A aprovação foi uma solução encontrada para minimizar os casos de roubo e furto de veículos, que acabou por contribuir com o meio ambiente e, de quebra, ainda trouxe a oportunidade para abertura de novos negócios.  

A venda de componentes usados, provenientes de desmanche, não é uma atividade nova no país. No entanto, quase sempre ocorria de maneira irregular e a partir de carros roubados. Com o projeto aprovado, a revenda desses itens agora é totalmente regulamentada. 

Por isso, no post de hoje vamos explicar como funciona o processo de reutilização e os tipos de reciclagem. 

É só continuar a leitura para conferir! 

Como funciona a reciclagem automotiva: do início ao fim do processo

Você sabia que grande parte das peças de um carro pode ser reciclada? Em média, um veículo é constituído por 18% de plástico, 55% de metais, 7% de borracha e 20% de outros materiais. Isso quer dizer que a maioria dos componentes pode ser reaproveitados. 

Em relação ao processo de reciclagem de fato, é importante saber que ele acontece em algumas etapas. Em primeiro lugar, o automóvel passa por uma descontaminação para a retirada de gases e fluídos. 

Depois disso, começa o desmonte das peças. Todas elas são analisadas cuidadosamente para serem classificadas em três categorias: perfeito estado de conservação, pequenas avarias e inadequadas. 

Os itens considerados em bom estado ou com apenas pequenos danos, levam um código digital que certifica sua permissão para a revenda. O restante, avaliado como impróprio para venda, é transferido para uma empresa especializada, que se encarrega do tratamento e descarte correto do material. 

Tipos de reciclagem mais utilizados no setor automobilístico

Os tipos de reciclagem mais utilizados no segmento automotivo, segundo o CEMPRE, são: 

  • Reciclagem energética: consegue transformar resíduos em energia térmica ou elétrica, podendo ser vendida ou reutilizada.
  • Reciclagem química: tem o objetivo de recuperar elementos químicos usados em materiais de plástico para serem reutilizados em outros plásticos. (Por exemplo: para para-choques, tanques de combustível e freios de automóveis).
  • Reciclagem mecânica: diminui o reprocessamento dos materiais e os torna matérias-primas secundárias. Essa opção é muito utilizada para peças de metal, como as chapas de aço. Nesse processo, o ciclo de reciclagem do produto é finalizado para que ele possa ser reutilizado, seja para criar uma peça igual ou um componente diferente. 
  • Reutilização de materiais / industrial: aqui entram pneus que podem ser recauchutados e peças automotivas que sofreram pequenos danos causados por acidentes, por exemplo, mas que não foram completamente comprometidas, sendo possível reutilizá-las. 

E então, o que achou deste conteúdo? Você acabou de conferir como acontece a reciclagem automotiva. Para ler outras matérias com temas relacionados, dicas e informações sobre consultas veiculares, é só continuar acompanhando nosso blog e nos seguir nas redes sociais. Até a próxima!

POSTS RELACIONADOS

Olá, posso ajudar?