Depreciação de veículo de leilão: o que você precisa saber 

Foi-se o tempo em que veículos provenientes de leilão eram vistos com tantos maus olhos. Hoje, esse mercado já registra um crescimento de mais de 30% se comparado a anos anteriores. Isso porque as pessoas têm entendido que nem todos os automóveis nessa condição apresentam defeitos. Muito pelo contrário, é possível encontrar carros em ótimo estado de conservação. 

A atenção que se deve ter é em relação à depreciação do veículo de leilão, e é sobre isso que vamos falar no post de hoje! 

Para conferir tudo, continue a leitura! 

Como se dá a depreciação do veículo de leilão 

A compra de veículos de leilão tem chamado cada vez mais atenção dos consumidores. Antes, carros nessa condição eram adquiridos em maior parte por empresas, mas o cenário está mudando. Cerca de 25% dos compradores atualmente são pessoas físicas. 

Um dos principais motivos que influenciam a compra é, sem dúvidas, o preço, que pode ficar até 40% menor do que o valor praticado na tabela Fipe

Podemos dizer que a maioria dos automóveis leiloados vem de financiamentos que não foram pagos ou de sinistro. Mas também há casos de veículos recuperados de roubo e furto, ou que sofreram perda total e foram levados à leilão pela seguradora. Esses dois últimos representam uma parcela menor. 

Devido a esses aspectos, o preço fica mais baixo para, de certa forma, compensar qualquer “risco” que o comprador possa ter no futuro, já que ele não possui nenhuma garantia. No entanto, vale enfatizar que existem, sim, carros em boas condições de uso e que a informação de leilão nem sempre significa danos estruturais ou problemas disfarçados. 

A verdade é que para tirar qualquer dúvida sobre a procedência do automóvel, é necessário fazer uma pesquisa. Infelizmente, não dá para verificar a informação de “passagem por leilão” de forma gratuita e ela também não consta na documentação do automóvel.

Então, é preciso buscar uma empresa especializada em consultas veiculares, como a AutoList. Assim, você consegue conhecer o histórico do veículo completo e entender a razão pela qual ele foi leiloado, bem como a classificação do leilão, que vai de A a D, para identificar o nível do “problema” e a porcentagem de desvalorização do carro

A partir dessa análise, você tem dados suficientes para decidir se vale a pena ou não dar continuidade à negociação. Por isso, a recomendação é sempre consultar o veículo antes de tomar uma decisão. 

Como funciona o leilão de carros?

De modo geral, o leilão é uma venda pública, que negocia geralmente três modalidades de carros: 

  • Automóveis apreendidos por órgão reguladores de trânsito 
  • Automóveis financiados que não tiveram suas prestações pagas 
  • Automóveis recuperados por financeiras.

Sobre a condição dos veículos colocados em leilão, o Código de Trânsito Brasileiro (CTB) diz:  

“O veículo apreendido ou removido a qualquer título e não reclamado por seu proprietário dentro do prazo de sessenta dias, contado da data de recolhimento, será avaliado e levado a leilão, a ser realizado preferencialmente por meio eletrônico.”

Depois que o leilão é publicado, os automóveis são categorizados em: 

  • Conservado: possui condições para rodar 
  • Sucata: não está apto para circular. 

Você acabou de conferir os principais pontos em relação à desvalorização do carro de leilão. E lembre-se: antes de tomar qualquer decisão, vale muito a pena fazer uma consulta veicular.

Agora, se este conteúdo foi útil para você, aproveite para acompanhar nosso blog e seguir as nossas redes sociais. Toda semana publicamos diferentes materiais por lá! Até a próxima!

Ficou com alguma dúvida sobre o assunto? Deixe seu comentário aqui embaixo que logo responderemos!

POSTS RELACIONADOS

Olá, posso ajudar?