Veículo com restrições: conheça 4 problemas mais comuns

É mais comum do que se pensa a compra e venda de veículo com restrições que muitas vezes nem são informadas durante a negociação. Em alguns casos, o próprio vendedor, que comprou de um antigo proprietário, não sabe com clareza o passado do automóvel. 

É por isso que as consultas veiculares são sempre muito bem-vindas (e necessárias) para entender em que condição se encontram os carros da sua revenda. 

Para o post de hoje, portanto, listamos as restrições mais conhecidas para explicar o impacto dessas informações e por que elas podem interferir no momento da venda

Continue a leitura para conferir! 

Veículo com restrições, conheça os problemas mais comuns! 

Algumas restrições podem influenciar totalmente o valor do veículo e influenciar na hora da revenda. Veja quais são elas: 

Recall

Normalmente feito por concessionárias ou lojas autorizadas da marca do automóvel, o recall é um chamado para a substituição de peças que apresentem algum tipo de defeito. 

Trata-se de uma restrição que aponta que o carro possui alguma irregularidade em sua estrutura que não foi corrigida.

Agora, vamos supor que um cliente compre um veículo nessas condições, sem saber, e posteriormente ele comece a dar problemas. Ou pior, cause algum acidente que coloque em risco sua vida. Imaginou o tamanho do problema?

Histórico de roubo e furto

Essa é uma das causas de maior desvalorização de veículos. Carros com histórico de roubo e furto podem chegar a até 30% de depreciação. 

Dizem ainda que, no Brasil, 40% dos automóveis roubados não são recuperados e são revendidos para outros estados. Desse modo, é fundamental fazer uma consulta para evitar dores de cabeça no futuro, como ter o carro apreendido ou pagar um preço muito acima do que ele realmente vale.  

Passagem por leilão

O leilão é clássico entre as restrições, e pode apresentar das maiores às menores vantagens. Isso porque nem sempre um carro com passagem por leilão possui defeitos estruturais ou desgastes. 

Nesse caso, é preciso avaliar o motivo pelo qual determinado veículo foi leiloado e qual o tipo de leilão

Por exemplo: houve a falta de pagamento de débitos, financiamento? O automóvel foi roubado, furtado ou apreendido? Foi usado em operações internas? Houve colisão? O leilão ocorreu por uma seguradora, pelo Detran, montadora ou se trata de uma recuperação financeira? 

Todos esses pontos são importantes para entender a procedência do veículo e definir se vale ou não a pena trabalhar com ele. 

Para saber mais sobre o assunto, leia nosso conteúdo completo: Veículo com passagem por leilão, até onde vale a pena comprar um? .

Restrições judiciais

O famoso Renajud, alienação fiduciária, leasing, baixa de gravame, reserva de domínio, são tipos de restrições judiciais. 

Quando registrado algumas dessas ocorrências no histórico do veículo, é possível que o comprador fique impedido de fazer a mudança de propriedade, ou seja a transferência, e de conseguir o novo licenciamento do carro. Além disso, ele também corre o risco de ter o automóvel bloqueado por apresentar alguma espécie de penhor ou dívida do atual dono. 

Você acabou de conferir 4 fatores que classificam veículo com restrições. Para se precaver e não cair em situações embaraçosas na hora de fechar negócio, faça uma análise veicular completa! 

Ficou com dúvidas? Nos deixe um comentário que responderemos o mais breve possível. E se quiser ler outros conteúdos como esse, é só ficar de olho no blog da AutoList e nos acompanhar nas redes sociais! Até a próxima! 

POSTS RELACIONADOS

Olá, posso ajudar?